Viver do Turismo

A indústria do futuro!

Arquivo para novembro, 2013

Vale do Ivaí, nova região turística do Paraná!

capital do Vale do Ivaí

Apucarana – Capital do Vale do Ivaí

Depois de meses sem postar nada, estou de volta. Esse ano as coisas estão meio estranhas, e não tenho feito as coisas como havia planejado. Mas agora tenho voltado, parece, ao controle das ideias e retorno a fazer uma das coisas que mais gosto: escrever. E uma notícia me motivou a escrever esse post: Vale se torna região turística. Antes de entrar de vez no assunto que quero, lembro que sempre trabalhei com o mercado turístico desde o primeiro ano de estudos na faculdade, e nunca deixei de trabalhar na área, jamais precisando sair da região para ser um turismólogo, visto que os empregos existem, e aos montes, basta um pouco de força de vontade e perseverança. Obviamente, não é uma tarefa fácil sobreviver do turismo, mas isso acontece tanto aqui quanto em regiões puramente turísticas, e também porque não temos regulamentação para assegurar nossa importância no mercado de trabalho, mas isso é um assunto à parte e que merece um texto próprio. Escrevo isso para demonstrar, principalmente aos turismólogos que estão se formando por agora, que a região em que moramos oferece muitas oportunidades de trabalho. Muitas vezes, é aqui, se doando um pouco, que a experiência é adquirida para que, mais pra frente, os voos sejam cada vez maiores! E isso também tem relação com o assunto que começo abaixo.

Como já escrevi anteriormente, sou professor de uma faculdade, no curso de turismo. A notícia acima refere-se, justamente, à Instituição de Ensino Superior na qual leciono, a FECEA – Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana, um campus da recém criada UNESPAR, a Universidade Estadual do Paraná. A notícia é sobre um projeto de extensão das professoras Michele da Costa e Lorena Mancini (às quais devo muito da minha formação e tenho admiração e respeito gigantescos por elas), que visa mapear o potencial turístico da região em que estamos inseridos, que é o Vale do Ivaí, no norte do Paraná. Com esse projeto, espera-se, ao final, definir uma rota turística por essa região do Estado, tão cheia de atrativos e histórias mas que é pouco conhecida. Mas essa reportagem (saiu também em mídia impressa no jornal Tribuna do Norte, de Apucarana, com mapas e muitas ilustrações legais) faz parte de um contexto muito maior. Como parte do Programa de Regionalização do Turismo,  o Paraná passou por uma reorganização em suas regiões de interesse turístico, contando agora com quatro novas regiões, e uma delas é o Vale do Ivaí (alguém aí lembra do PNT 2003 -2007, e do 2007- 2010???? Esses que, aliás, são assunto de estudo em praticamente todos os cursos de turismo e de grande importância para entendermos e analisarmos os rumos da atividade turística. Já que fiz esse adendo, é interessante ressaltar que o Programa de Regionalização surgiu no primeiro PNT, e desde então vem trabalhando para formar ao menos três produtos de qualidade em cada estado da Federação. Os mais curiosos e ávidos por informações detalhadas podem entrar aqui, aqui e aqui para saciar o desejo por conhecimento). O que isso quer dizer? De forma mais direta e clara é: receberemos investimentos! Segundo o site do Ministério do Turismo, “‘O mapa da regionalização orienta a atuação de políticas e investimentos do MTur pelo país’, diz Vinicius Lummertz, secretário nacional de Políticas de Turismo. Assim que o novo mapa for concluído, o MTur classificará o nível de desenvolvimento (que varia de 1 a 3) de cada uma das regiões turísticas e definirá as necessidades de investimento de cada localidade”. Nossa região passará a aparecer no mapa de destinos, e isso trará diversos desdobramentos. O mais facilmente detectável é o benefício financeiro, claro. É com ele que a ideia de um roteiro turístico poderá ser executada com sucesso. Mas também atrairá investimento em treinamentos e infraestrutura, desde a que é mais básica até a que é mais específica para a atividade turística. É um ganho, não se pode negar. Ainda utilizando o mesmo site do Ministério, o “Vale do Ivaí: É composta por 18 municípios. Concentra dois importantes santuários religiosos do Estado, um dedicado a Santo Expedito e outro à Santa Rita de Cássia, ambos interligados pelo circuito Rota da Fé. Por fim, os recursos naturais e a o setor agrícola pautam o desenvolvimento de atividades vinculadas ao turismo rural, ecoturismo e turismo de aventura, com destaque para as quedas d’água do município de Faxinal”. Temos potencial turístico em diversas áreas!

Mapa do Vale

Mapa do Vale

Desse potencial, a ideia de um roteiro bem estruturado e que contemple, se não todos, ao menos uma grande parte dos atrativos, não é nova. As professoras Michele e Lorena trabalham em seu projeto de extensão já a um bom tempo visando colocar o Vale do Ivaí como um destino turístico. Um dos frutos desse trabalho é o portal turístico do Vale, chamado Território Vale do Ivaí. Esse portal funciona como uma vitrine de todos os destinos da região, listando atrativos, infraestrutura de hospedagem, alimentação, lazer. É atualizado constantemente, com a ajuda dos alunos do curso de turismo da FECEA, e que ainda vai se desenvolver muito, ainda mais agora com o possível suporte do Ministério, através da gestão descentralizada. E muita coisa ainda vai ser mostrada, como o documentário, produto também do projeto de extensão, sobre a diversidade cultural encontrada no Vale. E o grande mérito nisso tudo é que o Vale do Ivaí começou a se mostrar devido ao projeto já citado acima. Sem ele, talvez agora não estaria eu aqui celebrando a notícia de que somos uma das novas regiões turísticas do Paraná. Eis então a importância de se estudar a região em que estamos inseridos. Enquanto boa parte das pessoas não acredita que o turismo possa acontecer em suas cidades (me refiro aos moradores daqui), faz parte do papel do turismólogo e docente detectar essas potencialidades e atuar positivamente junto à comunidade. E, talvez, as ofertas de emprego sejam cada vez maiores aqui, e nas outras novas regiões também. Digo “talvez” porque ainda é preciso que as coisas se consolidem. Não há como auferirmos isso somente com a notícia dada pelo Ministério, mas é um bom indicador. A atividade turística e os atores desse mercado têm muito a colher nos próximos anos.

Muitos cenários, diversas culturas.

Muitos cenários, diversas culturas.

Fico sempre feliz por ver que minhas escolhas se mostram acertadas. O fato de não ter migrado para outras regiões do Brasil, mesmo quando tive a chance (ou as chances), e ter insistido em trabalhar por aqui, hoje pode servir como um incentivo a quem quer investir seu tempo em sua própria região, sendo ela de aparente pouco apelo turístico. É muito bom ver que o trabalho árduo dos nossos professores resulta em algo tão benéfico para toda a comunidade. Parabéns a todos os envolvidos nesse projeto todo!

As referências desse texto estão espalhadas ao longo do mesmo, por isso, não farei uma lista agora ao final.